GoMad - Tradução Simultânea para Eventos - Goiânia | Brasília

Diário de um Intérprete

Ser um intérprete de conferência não é uma tarefa fácil. Além de exigir um domínio profundo do idioma (tanto o idioma de origem quanto o idioma interpretado), o profissional precisa estudar continuamente e ter muito jogo de cintura!

Explico…

Cada evento é um novo desafio. Às vezes começamos a semana interpretando um evento com o tema Inovação e finalizamos a semana, com chave de ouro, com eventinho “tranquilo”sobre Mecânica de Rochas.

Imaginem quantas palavras, desconhecidas até em português, temos que estudar para sermos capazes de executar um trabalho de excelência! Quantos papers temos que ler, para conseguir entender aquilo que será abordado pelo palestrante para realmente ser o espelho de sua voz, sem hesitar, ou sem expressar nervosismo.

Muitas vezes estudamos semanas antes do evento para nos preparamos e darmos o nosso melhor!

Tá, mas e a parte do jogo de cintura?

Imagine que você estuda uma semana para um determinado evento, está superconfiante que vai arrasar e nos primeiros dez minutos de palestra, o palestrante brasileiro solta essa: O Brasil não é sem problemas, para ser sem problemas, só se for sem com “c”.

???????????????? (WTF?)

Os intérpretes trabalham em dupla e justamente na sua vez, cai uma pérola dessas…

Você olha para sua colega de cabine nervosamente e ela dá um sorriso amarelo, mas ao mesmo tempo aliviada que não é ela quem pegou a bucha…

Para começar, nem entendi direito o que ele quis dizer. Seria uma forma de dizer que há muitos problemas no Brasil?

Enfim, como resolver isso em milésimos de segundos de uma maneira que os gringos pudessem entender?

Mandei o seguinte: Brazil doesn’t have A problem; it has THE problem. Enfatizei bem o “A” e o “THE”.

Traduzindo – O Brasil não tem UM problema, ele tem O problema.

Acho que me sai até bem dada as circunstâncias e confesso que até hoje tento achar uma  solução melhor que essa e não consigo…

Isto chama-se jogo de cintura, que vem com tempo, experiência e maturidade do intérprete!

Esse é um exemplo de vários… Não vou nem comentar o dia que estava em um evento de Saneamento e um palestrante brasileiro novamente fala: Tem lugar no Brasil que não temos saneamento algum. O camarada faz o que tem que fazer, coloca na sacola e faz helicóptero…

Essa é a dura vida de um intérprete J

By Larissa Leão (CEO Go Mad Traduções e Interpretações)